NOTÍCIAS DO DIA

30/7/2021

 

Volkswagen quer etanol como fonte complementar para a eletrificação

 

No futuro nem tão distante, o Brasil terá carros elétricos da Volkswagen, ainda que importados, mas a expectativa e os esforços pessoais de Pablo Di Si, CEO da empresa na América Latina, têm sido mesmo para que a operação local se torne o polo de desenvolvimento de motores híbridos flex do grupo.

 

Di Si apresentou recentemente ao conselho da empresa sua visão de que os motores híbridos a etanol têm tudo para ser alternativa mais limpa e economicamente muito mais viável para boa parte dos mercados emergentes do que os puramente elétricos. Seja pelo aspecto econômico ou mesmo pelo tipo e oferta de energia que esses mercados disporiam para o abastecimento de uma grande frota elétrica.

 

A argumentação foi bem aceita e ele conseguiu o aval para a constituição, aqui, do Centro de Pesquisa & Desenvolvimento do Grupo Volkswagen voltado a energias alternativas e biocombustíveis.

 

Os recursos necessários, cronograma e a estrutura, que ocupará áreas nas fábricas de São Bernardo do Campo e São Carlos, SP, ainda passam por avaliação e devem ser divulgados na próxima visita ao País do CEO global Herbert Diess, inicialmente prevista para ocorrer até setembro.

 

Mundialmente, os planos da Volkswagen parecem ir em outro sentido. O grupo está disposto a ser líder em carros elétricos já até 2025 e chegar a 2030 com metade de suas vendas nos principais mercados com a tecnologia - e a quase 100% já dez anos depois. A planilha de lançamentos indica 130 veículos elétricos e híbridos até o fim desta década, cujos projetos consumirão algo como € 46 bilhões dos € 73 bilhões do ciclo de investimento anunciado de 2021 a 2026.

 

O problema futuro — ou a oportunidade, na visão de Di Si - é justamente esse: com produtos voltados quase que integralmente aos mercados europeus, chinês e norte-americano, de maiores volume e poder aquisitivo, as operações localizadas nas demais regiões podem ter suas relevâncias reduzidas dentro do grupo.

 

“Importar é fácil. Só que daqui a 15 anos o que nossas quatro fábricas no Brasil vão fazer?”, indagou Di Si, nesta quarta-feira, 28, em encontro que manteve em Piracicaba, SP, com o CTC, Centro de Tecnologia Caniveira, e a Unica, União da Indústria da Cana de Açúcar, para enaltecer as potencialidades do etanol como agente de descarbonização e alternativa barata e quase imediata para a mobilidade limpa.

 

“Precisamos caminhar com nossas próprias soluções. Já ouvi de alguns ministros brasileiros que o governo não concederá incentivos para a compra de elétricos, como ocorrer em vários países.”

 

Di Si não vê incongruência entre esse esforço regional e as diretrizes tecnológicas globais da montadora. Diz que a oferta de motores a mais limpos só a combustão ou híbridos flex para vários países é uma “estratégia complementar” aos planos de descarbonização do grupo, que objetiva ter a grande maioria de sua frota de veículos eletrificada até 2035 e se tornar neutro em emissões antes da metade deste século.

 

“Estamos falando de algo que vai muito além de vender automóveis”, enfatiza Di Si, que identifica enorme potencial para negociar sistemas flex com etanol para outros mercados a partir do Brasil. “É oferecer a tecnologia e o conhecimento que o País tem há quatro décadas. Há quatro anos, por exemplo, comprávamos rádios da Alemanha para equipar nossos veículos e hoje exportamos para outras operações o sistema de infotainment desenvolvido pela Volkswagen brasileira.”

 

A Índia é citada como um exemplo de mercado concreto de curto prazo para a tecnologia de veículos flex e, mais para frente, híbrido flex. O país asiático, segundo mais populoso do mundo e muito dependente da importação de gasolina, já definiu que adotará motores flex fuel com etanol.

 

“Só isso representaria uma grande oportunidade para as montadoras e fornecedores daqui”, pontuou o executivo, que vê oportunidades para o etanol até mesmo em automóveis movidos a células de combustível, ainda que bem mais para frente e com menores possibilidades do que no caso dos híbridos. (AutoIndústria/George Guimarães)

 

 

 

Mercedes-Benz celebra a presença dos automóveis e da linha Sprinter nos 65 anos da marca no Brasil

 

Prestes a completar 65 anos no dia 28 de setembro, a Mercedes-Benz construiu sua marca no país sobre os pilares de pioneirismo, inovação e qualidade. Ao longo de sua trajetória, a fabricante foi incorporando ao portfólio brasileiro diversos produtos mundialmente consagrados para oferecer a linha mais completa de veículos de passeio ou para o transporte, como os automóveis de luxo e a moderna linha Sprinter de veículos comerciais leves. Esses veículos completam as soluções de mobilidade oferecidas pela Empresa aos clientes do Brasil e que já estão em novos patamares de tecnologia e de sofisticação.

 

“Com nossos veículos do segmento de luxo e com a linha Sprinter, reforçamos o posicionamento da marca para atender os mais diversos perfis de clientes no mercado brasileiro”, afirma o Presidente e CEO da Mercedes-Benz Cars & Vans Brasil, Jefferson Ferrarez.

 

Seis décadas de atendimento a clientes de automóveis

 

Na década de 1960, a marca Mercedes-Benz já comercializava seus automóveis luxuosos no Brasil para uso de diplomatas, assegurando também a manutenção e assistência técnica. Aliás, a oficina mecânica de importados, montada na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, consolidou uma imagem de extremo rigor com a prestação de serviços e com a atenção aos clientes, dando contribuição muito importante para a preservação do alto padrão mundial de qualidade dos sofisticados veículos Mercedes-Benz.

 

A partir da década de 1990, com a abertura do mercado brasileiro às importações de automóveis, a Mercedes-Benz do Brasil criou a Starauto, unidade de negócios específica para comercializar os desejados automóveis de luxo da marca no país. Nessa década, junto com a nova conjuntura econômica, houve um grande salto de vendas, saindo de 500 unidades por ano para cerca de 5 mil automóveis no final da década.

 

Junto com esse volume de vendas crescente, foi desenvolvida também uma completa rede de concessionários com foco em oferecer a melhor experiência durante a compra e serviços altamente especializados de Pós-Venda. E essa expansão continuou também nas décadas seguintes, estabelecendo novos níveis de vendas ano após ano. E em 2015 foi estabelecido o recorde de vendas ainda não superado de 17,5 mil veículos emplacados em um ano.

 

Ao longo de todo o tempo, a oferta de modelos foi aumentando, acompanhando as tendências de mercado e as preferências dos consumidores. Hoje, o portfólio no país inclui mais de 40 versões entre sedans, hatch, coupé, SUV, cabriolet, roadster e os exclusivos Mercedes-AMG. A linha atual já inclui o EQC, o primeiro carro elétrico da marca e está alinhada com o objetivo claro de ser uma marca 100% elétrica até 2030, além de ter o processo de produção livre da emissão de CO2 até 2039. Mais de 40 bilhões de euros serão investidos nos próximos anos para tornar esses objetivos uma realidade.

 

Alguns modelos também foram produzidos no país: a primeira geração da Classe A, o exclusivo duas portas CLC 200, o sedan de luxo Classe C e o SUV Premium GLA marcaram a história das cidades de Juiz de Fora em Minas Gerais e Iracemápolis em São Paulo. Agora, em um novo momento da estratégia mundial de atuação, a empresa atende o mercado brasileiro somente com modelos importados.

 

Desde o início, o atendimento especializado e customizado a clientes de automóveis é um diferencial de mercado da Mercedes-Benz, o que fez da marca uma das mais desejadas também por grandes celebridades. Pelé, Hebe Camargo, Ronaldo Nazário e Faustão, por exemplo, já visitaram a fábrica em São Bernardo do Campo para conferirem os processos que fazem da marca um ícone no atendimento. Os modelos luxuosos Mercedes-Benz fizeram parte também das turnês de músicos internacionais no Brasil, a serviço de astros como Paul McCartney, Madonna, U2 e Rolling Stones.

 

Ações de marketing inovadoras como o Mercedes-Benz Night, que abre a temporada nacional de “fashion” e as experiências de condução esportiva oferecidas nos principais autódromos do país em cada AMG Week realizado oferecem aos clientes e admiradores da marca novas experiências com a marca e os produtos que até então só existiam apenas na Europa.

 

Sprinter, sinônimo de categoria e referência de mercado

 

A Sprinter estreou em 1995 na Alemanha e fez parte de um marco histórico da marca ao ser o primeiro veículo de transporte da Mercedes-Benz a receber oficialmente seu nome próprio. Essa designação hoje representa uma categoria inteira de veículos.

 

No Brasil, o lançamento do produto ocorreu em 1997, contando com opções de vans de passageiros, furgões e chassis para transporte de carga, distribuição urbana e prestação de serviços. Com a Sprinter, a Empresa criava no país o segmento de Large Vans, categoria de veículos comerciais leves com peso bruto total entre 3,5 e 5 toneladas. Ela foi a sucessora do MB 180, primeira família de modelos da marca nesse segmento no Brasil, importado da Espanha entre 1994 e 1997.

 

Em quase 25 anos de forte presença no mercado brasileiro, foram vendidas mais de 150 mil unidades da linha, consolidando sua liderança em vendas e confirmando a Sprinter como o veículo mais desejado da categoria.

 

Em 2012, uma nova geração da Sprinter chegou ao mercado brasileiro, trazendo padrões ainda mais elevados de tecnologia, segurança, conforto e capacidade de transporte. Destaque para o motor OM 651 com tecnologia BlueEFFICIENCY, que assegura mais potência e torque, com menores emissões; além do exclusivo sistema ESP Adaptativo ® e novos airbags. O design moderno e arrojado agregou ainda mais elegância à Sprinter.

 

A atual geração dessa linha de veículos fez sua estreia no país no final de 2019. “Sprinter – 100 % PRA VOCÊ” é o posicionamento mundial do produto, o que se estende ao mercado brasileiro, destacando mais valor agregado aos clientes em tecnologia, interatividade, segurança, conforto e performance. Como resultado, a Sprinter oferece o melhor custo/benefício da categoria.

 

“Cada vez mais, a Sprinter se consolida no nosso país pela completa oferta de soluções de mobilidade para pessoas e cargas”, afirma Jefferson Ferrarez. “Com sua agilidade e conforto de dirigibilidade, ela é ideal para entregas rápidas especialmente nos centros urbanos, cada vez mais congestionados e com circulação limitada para veículos de entregas. A Sprinter assegura facilidade dentro dessa complexidade, circulando com desenvoltura e versatilidade em todas as situações, seja nas vias centrais, no interior dos bairros, ladeiras e também nas curtas distâncias”.

 

Com portfólio atual, novamente a Mercedes-Benz trouxe para o segmento de comerciais leves inovações tecnológicas e exclusividades como o Assistente Ativo de Frenagem (ABA), que detecta obstáculos a frente, alerta o motorista e até inicia a frenagem de forma autônoma, caso o motorista não atue; e o ESP Adaptativo 9I®, o mais completo da categoria. Outro item exclusivo da marca é a direção elétrica que oferece mais conforto e facilidade para manobrar em qualquer lugar. O sistema multimídia MBUX com espelhamento de smartphone, piloto automático e volante multifuncional, trazem ainda mais praticidade e comodidade. Com todos estes diferenciais, a linha Sprinter alcança o nível mais alto da categoria de Large Vans e evidencia o seu pioneirismo no segmento.

 

A Sprinter oferece a maior linha de veículos comerciais leves em sua vasta rede de concessionários para atender todas as demandas do mercado com seu amplo portfólio e serviços qualificados de Pós-Venda. São mais de 100 configurações à disposição dos clientes, entre vans de passageiros, para transporte escolar, turismo, traslados e fretamento, como furgões e chassis com cabina para distribuição urbana e transporte de carga e produtos, além da prestação de serviços e negócios sobre rodas para empreendedores. A Sprinter também se tornou referência no segmento de Motorhome, devido ao seu alto padrão de qualidade e equipamentos disponíveis, segmento este que teve um grande crescimento nestes últimos anos.

 

Uma história que está sempre em evolução

 

A Mercedes-Benz Cars & Vans é uma empresa do Grupo Daimler, um dos principais fabricantes mundiais de automóveis de luxo e um dos maiores produtores mundiais de veículos comerciais.

 

Como pioneira da engenharia automotiva, a marca vê a projeção do futuro da mobilidade de maneira segura e sustentável. Portanto, o foco da Empresa permanece em tecnologias inovadoras e ecológicas, bem como em veículos seguros e de alta qualidade que encantam.

 

A Companhia continua investindo sistematicamente no desenvolvimento de transmissões eficientes – desde motores à combustão de alta tecnologia e veículos híbridos até modelos totalmente elétricos, com o objetivo de tornar possível a mobilidade livre de emissões no longo prazo.

 

Os esforços da marca também estão focados na conectividade inteligente de seus veículos, assistência à condução, direção autônoma e novos conceitos de mobilidade.

 

A Mercedes-Benz, marca automotiva de luxo mais valiosa do mundo segundo o estudo da Interbrand, em 2020, comercializa seus veículos e serviços em quase todos os países do mundo e possui instalações de produção na Europa, América do Norte e do Sul, Ásia e África. Além disso, em junho deste ano, a marca foi considerada a mais valiosa da Europa pelo segundo ano seguido, de acordo com a consultoria Brand Finance, especializada em avaliação de marcas. Durante sua trajetória no Brasil, a Mercedes-Benz Cars & Vans tem expandido, de forma consistente, sua atuação, investindo sempre em tecnologia, com o objetivo de atender às expectativas de seus clientes por meio de produtos, serviços de alta qualidade e experiências, além de desenvolvimento social.

 

“Nossa história está em constante evolução”, afirma Jefferson Ferrarez. “Temos muito chão pela frente e queremos estar sempre na posição de vanguarda na geração de soluções de mobilidade e sustentabilidade, para hoje e para o futuro. A chave do nosso sucesso é o foco constante da marca nas necessidades dos clientes, para quem sempre criamos experiências extraordinárias de produtos e de marca, buscando o encontro perfeito entre inteligência e emoção”. (Revista Torque)

 

 

 

CNH Industrial cria oficina móvel para atender agricultores

 

Empenhada em oferecer um atendimento de qualidade e eficiência aos agricultores, a CNH Industrial, por meio da área de Serviços, criou a Van de Pós-Vendas, uma oficina móvel montada dentro de um IVECO Daily Furgão para levar soluções de diagnósticos e manutenção aos clientes Case IH e New Holland Agriculture.

 

A proposta tem como objetivo garantir maior assertividade na avaliação e serviços das máquinas e assim, proporcionar a maior disponibilidade dos equipamentos e diminuir o tempo de parada.

 

Marcos Guerra, Gerente de Suporte Técnico da CNH Industrial explica o funcionamento do serviço.

 

“Quando um concessionário tem dificuldades técnicas para diagnosticar um problema em uma máquina, ele aciona a área de suporte técnico da CNH Industrial, que agenda uma visita no local. Essa prática já existia, mas com um veículo normal, sem nenhum tipo de equipamento e, é aí que está a vantagem da Van de Pós-Vendas, ela traz mais agilidade nos processos de assistência e reparos pois conta com ferramentas avançadas em sua oficina móvel”. esclarece

 

A oficina móvel é equipada com ferramentas especiais de diagnósticos como DATAR, Câmera térmica, análise de fluídos, Lastragem, entre outras. Segundo Guerra, a proposta é que o veículo sirva também de inspiração para que as redes de concessionárias possam replicar em suas unidades.

 

O Daily Furgão está disponível para atender em todo o território nacional, nos pontos de atendimento das marcas agrícolas, com suporte e acompanhamento das máquinas nos períodos do plantio a colheita. (Agro Planning)

 

 

 

Receita do setor de máquinas e equipamentos sobe 40,3% no 1º semestre

 

Durante o mês de junho de 2021 observou-se estabilidade nas receitas líquidas de vendas do setor fabricante de máquinas e equipamentos em relação ao mês de maio. Na comparação com junho de 2020 o resultado foi de elevado crescimento (45,4%). O setor contou no período com manutenção do crescimento nos segmentos ligados ao agronegócio e recuperação naqueles ligados ao consumo de bens duráveis e semiduráveis. Porém, na análise dos números deve-se levar em consideração a base de comparação fortemente deprimida pelas medidas de afastamento para controle das infecções por covid-19. Para os próximos meses a expectativa é de manutenção da estabilidade das receitas em níveis próximos aos observados no segundo semestre de 2020.

 

Com relação à receita líquida, em junho ouve ligeira melhora no mercado doméstico (0,2%). Nas exportações o crescimento foi maior, de 7,4% em quantidade e de 6,2% em valores (US$). A valorização do real observada no período, entretanto, anulou essa melhora quando o resultado é medido na moeda brasileira levando o desempenho total do setor a uma quase estabilidade na comparação com o mês anterior (maio). Na comparação interanual a receita se manteve 45,4% acima, levando o setor a encerrar o primeiro semestre de 2021 com aumento de 40,3% nas receitas totais.

 

As exportações de máquinas e equipamentos, que vinham de queda de 24,5% em 2020, voltaram a registrar crescimento em fevereiro passado, e já em abril o setor contava com valores superiores aos daquele ano. No semestre, apenas um grupo setorial registrou queda, o de fabricantes de máquinas para petróleo e energia renovável (-52,3%). Entre os com melhor desempenho destaca-se o segmento de logística e construção civil, que cresceu 46,7%. Em junho o setor exportou US$ 800 milhões, 67% acima do resultado de junho, período que registrou o pior desempenho do setor.

 

Já as importações, após terem encolhido para a média de US$ 1,4 bilhão ao mês, ganharam força e em 2021 passaram a oscilar ao redor de US$ 1,7 bilhão, como reflexo da recuperação das atividades produtivas observada a partir do segundo semestre de 2020. Em junho de 2021 houve recuo de 4,9% em relação ao mês de maio, mas na comparação interanual o crescimento foi de 72,1%. No ano, as importações acumuladas superaram em 12,1% as do mesmo período de 2020. (Borracha Atual)

 

 

 

Michelin comemora 40 anos de indústria no Brasil

 

A Michelin celebra 40 anos de presença no setor industrial no Brasil. A primeira fábrica da empresa foi instalada no Rio de Janeiro no ano de 1981 e pneus de ônibus e caminhões começaram a ser produzidos. Atualmente, a empresa possui seis complexos industriais no país e além de produtos, oferece serviços em prol da mobilidade sustentável.

 

A empresa tem como base três pilares: pessoas, planeta e performance. Desse modo, anunciou recentemente sua estratégia “Tudo Sustentável” para 2030: Michelin em Movimento, que prevê crescimento “com, ao redor e além dos pneus”.

 

Metas

 

Para o crescimento sustentável, o objetivo da empresa é alcançar a neutralidade de carbono até 2050. E também, aumentar em 40% o uso de matérias-primas sustentáveis em todos os seus produtos (100% até 2050). No quesito financeiro, a meta é crescer em média 5% ao ano as vendas entre 2023 e 2030 com destaque para 20% a 30% em negócios não relacionados a pneus.

 

E para os próximos 10 anos, a Michelin assumiu o compromisso de aumentar o percentual de mulheres em cargos de gestão para 35%. A Michelin também acaba de se unir ao Movimento pela Equidade Racial (MOVER), organização formada por mais de 40 empresas nacionais e multinacionais. O projeto visa transformar as organizações e permitir a construção de processos e ações de maneira mais igualitária.

 

“Temos muito orgulho da história que estamos construindo aqui no Brasil: da instalação da 1ª unidade fabril a um portfólio hoje cada vez mais completo, de pneus e serviços. Trouxemos inúmeras inovações ao mercado – como o primeiro pneu sem câmara de ar, o pneu radial de carga e tantos outros marcos que revolucionaram a mobilidade e fizeram da Michelin uma marca líder”, afirma Feliciano Almeida, presidente da Michelin na América do Sul. (Frota & Cia/Priscila Ferreira)

 

 

 

Mercedes-Benz amplia participação para mais de 80% na frota do Grupo Toniato

 

A Mercedes-Benz reforça a presença da marca nas operações do Grupo Toniato, empresa que se destaca no segmento de transporte e logística nos setores químico, agroquímico e mercados que exigem especialização, entre outros. Seguindo seu programa de renovação e ampliação de frota, o cliente já conta com mais 89 caminhões da estrela de três pontas: são 37 extrapesados Axor 2536 6x2 e mais 52 semipesados Atego, entre modelos 1719, 2426 6x2 e 3030 8x2.

 

Em negociação conduzida pelos concessionários De Nigris Distribuidora (SP) e Flumidiesel de Barra Mansa (RJ), o novo lote de caminhões foi 100% financiado pelo Banco Mercedes-Benz. Todas as unidades já foram entregues e encontram-se em operação.

 

“Essa renovação e ampliação de frota visa atender os contratos atuais e também o objetivo de crescimento da nossa empresa”, diz André Façanha, CEO do Grupo Toniato. “Com essa aquisição, nossa frota gira agora em torno de 540 caminhões próprios, sendo mais de 440 Mercedes-Benz, entre modelos Accelo, Atego e Axor”.

 

De acordo com o cliente, a marca Mercedes-Benz é padrão no Grupo Toniato no que classificam como caminhões das categorias de leves e médios. O Accelo 1016 predomina entre os leves. Na categoria de médios, destacam-se o Atego 1719, o 2426 6x2 e o 3030 8x2.

 

“Nossa preferência pelos Mercedes-Benz nessas duas categorias deve-se a um conjunto de fatores: qualidade dos caminhões, custo de manutenção, média de consumo, conforto para os motoristas, tecnologia e valor de revenda. As análises de todos esses indicadores apontaram para o Accelo e o Atego”, afirma André Façanha.

 

Axor 2536 foi um divisor de águas da marca na frota do cliente

 

“Em 2019, a marca Mercedes-Benz também começou a participar mais intensamente da nossa frota de pesados”, ressalta o cliente. “Depois de conhecer, experimentar e aprovar o cavalo mecânico Axor 2536 6x2 em nossas operações, adquirimos mais de 100 unidades do modelo para renovação e ampliação de frota”.

 

“O Axor 2536 6x2 foi um divisor de águas da marca na nossa frota, devido à tecnologia embarcada, média de consumo, custo de manutenção, além da aprovação dos nossos motoristas em relação ao conforto. Hoje, o custo/benefício do Axor nos faz considerar a Mercedes-Benz para nossos caminhões pesados. Estamos muito satisfeitos com os resultados que o Axor traz para nossas operações. Este é um investimento que nos traz bastante segurança”, afirma André Façanha.

 

“Ouvindo as estradas, as empresas de transporte e os motoristas, sempre trazemos soluções para novas demandas dos clientes e do mercado”, diz Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “O Axor é um grande exemplo, uma linha de caminhões que evoluiu muito nos últimos anos. São mais de 60 novidades desde 2016, ligadas à economia no consumo, otimização dos custos operacionais, desempenho, conforto e segurança. A aprovação do Grupo Toniato, que é bastante profissional em suas avaliações, mostra que nossos clientes notaram essa evolução. Isso nos motiva a seguir buscando novas soluções que tragam mais eficiência, produtividade e rentabilidade a suas operações de transporte”.

 

De acordo com Roberto Leoncini, a negociação com o Grupo Toniato chegou a bom termo devido ao planejamento executado pelo cliente, que se programou com antecedência para contar com os novos caminhões Mercedes-Benz, de acordo com o seu plano de renovação anual de frota, mesmo considerando as dificuldades impostas pela pandemia.

 

Satisfação com o comprometimento e parceria dos concessionários

 

“Agradecemos a parceria da De Nigris e da Flumidiesel. Eles são nossos parceiros e, juntamente com a Mercedes-Benz, se empenharam bastante para nos atender durante a quarentena, ajudando a acelerar a liberação dos veículos, o encarroçamento e a entrega técnica. Os concessionários participaram ainda da entrega das chaves dos caminhões aos motoristas”, afirma Luiz Adão Souza Portilho, gerente da Torre de Controle do Grupo Toniato, que fica baseada na unidade da empresa em Guarulhos, na Grande São Paulo.

 

A Torre de Controle é uma inovação do Grupo Toniato. A empresa utiliza a inteligência artificial para alcançar alta performance e maior eficiência na gestão de suas operações de transporte e logística. Com informação em tempo real, a empresa monitora a consolidação de cargas com todas as demandas que precisam ser enviadas. Com isso, obtém uma melhor visão do planejamento das rotas e dos veículos em atividade, gerando soluções customizadas para cada necessidade e possibilitando tomadas de decisão mais ágeis e inteligentes, evitando assim perdas desnecessárias de tempo e recursos.

 

Grupo Toniato: 47 anos de atividades e presença hoje em todo o País

 

Com 47 anos de atividades, o Grupo Toniato se destaca por uma atuação muito forte em todos os estados do Sudeste e do Sul do Brasil, com expansão recente para o Centro-Oeste, onde irá inaugurar novas unidades ainda este ano em Dourados (MS) e Rio Verde (GO). No total, são mais de 20 unidades.

 

O Grupo Toniato é composto por três negócios que se interagem estrategicamente: transporte, logística e engenharia, atendendo a clientes dos segmentos químico, agroquímico, tintas, esmaltes e vernizes, líquidos e gases, automotivo e outros mercados que exijam especialização.

 

“Mesmo em plena pandemia, registramos, no primeiro semestre deste ano, um volume de 130.000 toneladas de cargas movimentadas a mais do que em 2020”, informa Luiz Adão. “Não sentimos impactos importantes durante a pandemia porque atendemos principalmente clientes dos setores químico e do agronegócio, que foram menos afetados na pandemia, tanto no ano passado, como agora”. (ABC do ABC)

 

 

 

VWCO fecha venda de 400 unidades para cervejaria

 

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) finalizou a entrega do lote de mais de 400 veículos à Cervejaria Cidade Imperial. A fabricante de bebidas já conta com mais de mil unidades VW e engrossou a frota com os caminhões Constellation 17.230, 24.280 e 30.280, além do VW Delivery 11.180 em suas versões 4×2 e 4×4.

 

“Nós sempre desenvolvemos caminhões ideais para as aplicações e necessidades dos nossos clientes. O objetivo é trazer mais conforto, performance e o melhor custo operacional para aqueles que adquirem nossos produtos”, pontua Ricardo Alouche, vice-presidente de Vendas, Marketing e Pós-Vendas da VWCO.

 

O cliente já é parceiro de longa data da VW Caminhões e Ônibus, contando com cerca de mil caminhões VW em sua frota, que rodam em mais de 90 cidades brasileiras transportando água mineral, energéticos, cervejas, entre outros. De acordo com a empresa, a escolha dos veículos fabricados em Resende (RJ) se deu pela configuração sob medida para suas aplicações, robustez e alta disponibilidade para operação.

 

Além de utilizar os veículos VW para uso próprio, a cervejaria oferece alguns desses caminhões de sua frota para locação a revendedores, otimizando os serviços logísticos com os melhores modelos para desempenhar tarefas do dia a dia.

 

O VW Delivery 11.180 é equipado com o motor Cummins ISF de 3,8 litros e tecnologia SCR, tem torque máximo de 600 Nm, 175 cv de potência e transmissão manual de 6 velocidades. Combina confiabilidade, robustez e o melhor desempenho da categoria. Sua versão 4×2 é indicado para entregas urbanas com agilidade, rapidez nos serviços rodoviários de curtas e médias distâncias e o modelo 4×4 é o único caminhão leve com tração integral do país, ideal para operar em estradas ou fora delas.

 

Já os VW Constellation 24.280 e 30.280 equipados com motor MAN D08 de 6 cilindros e que não utiliza Arla 32, oferecem mais conforto e redução no consumo de combustível de até 5%. Além disso, têm mais durabilidade nos componentes do trem-de-força, o que resulta em um melhor custo operacional.

 

O VW Constellation 17.230 é equipado com motor MAN D08 de 4 cilindros e também não necessita do Arla 32, agrega inovações que tornam a condução do veículo mais simples e confortável, melhorando a sua produtividade, com durabilidade e baixo custo operacional. (Autos Pesados)

 

 

 

Mercado de veículos comerciais cresce 41% na Europa

 

O mercado de veículos comerciais na Europa absorveu no primeiro semestre do 1,28 milhão de unidades, volume 40,7% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando 910,3 mil unidades foram negociadas. Os números contabilizam os desempenhos nos países da União Europeia, Reino Unido e da associação europeia de livre comércio (Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein),

 

Conforme análise da Acea relatada no balanço do segmento apresentado na quarta-feira, 28, o resultado alcançado no fim do período reflete a contribuição dos crescimentos expressivos nas vendas entre março e maio. Apenas no mês passado, os licenciamentos somaram 231,3 mil veículos, alta de 13,5% na comparação com junho de 2020.

 

Com mais de 84% de participação nas vendas, o segmento de furgões e vans na faixa de 3,5 toneladas acumulou 1,08 milhão de unidades vendidas, em alta de 42,9% sobre as 755,1 mil negociadas há um ano. Somente em junho, a expansão nas vendas beliscou os 11% com 197 mil unidades contra 177,7 mil registradas no mesmo mês do ano passado.

 

Ao mercado de caminhões, que abrange modelos acima de 3,5 toneladas, foram entregues no primeiro semestre 182,7 mil veículos, volume 33,1% maior em relação ao acumulado dos seis primeiros meses do ano passado, de 136,7 mil. O desempenho de junho também registrou crescimento no mesmo patamar, de 35,5%, com 30,8 mil unidades negociadas ante 33,1 mil vendidas um ano antes.

 

O segmento de ônibus é o único que ainda apresenta resultado em terreno negativo. De janeiro a junho, as entregas somaram 15,4 mil unidades, ligeira queda de 0,2% sobre os 15,5 mil ônibus registrados há um ano. No mês passado, no entanto, a alta nas vendas chegou a 13,4% com 3,4 mil unidades ante 3 mil em junho de 2020. (AutoIndústria)

 

 

 

EUA querem que montadoras apoiem meta de 40% de veículos elétricos até 2030

 

O governo dos Estados Unidos afirmou às montadoras do país que quer que apoiem uma meta voluntária para que suas vendas sejam de pelo menos 40% de veículos elétricos até 2030, em um plano para redução de gases causadores de efeito estufa, afirmaram fontes com conhecimento do assunto.

 

As negociações com as montadoras sobre as metas ocorrem em um momento em que o governo de Joe Biden se prepara para divulgar na próxima semana proposta para revisão nos padrões de emissões de poluentes de veículos vendidos no país.

 

Fontes afirmaram que a meta voluntária pode chegar a até 50%, mas elas enfatizaram que nenhum acordo foi alcançado e que muitos detalhes ainda estão em aberto, incluindo se a meta vai incluir apenas veículos totalmente elétricos ou híbridos.

 

Mais cedo neste mês, a Stellantis afirmou que estava buscando que 40% das vendas de veículos nos Estados Unidos sejam de baixa emissão até 2030. A empresa e a General Motors não comentaram sobre as discussões com a Casa Branca. A Ford não se manifestou de imediato. (CNN Brasil/Reuters/David Shepardson)

 

 

 

Renata Jarrete é a nova gerente de administração de vendas da Iveco

 

Renata Jarrete será a nova gerente de administração de vendas da Iveco. A informação foi confirmada pela própria montadora em comunicado à imprensa.

 

“Estou muito feliz com o novo desafio e pronta para colaborar com essa equipe altamente competente que coloca a Iveco em destaque no segmento de veículos comerciais”, afirma Jarrete.

 

A executiva é graduada em administração de empresas pela FEI e com MBA em gestão de mercados pela ESPM. Ela chega ao cargo após 15 anos de experiência na Scania, onde atuou nas áreas administrativa e de vendas.

 

“A Iveco não para, e é com esse pensamento que incorporamos mais um colaborador para seguirmos crescendo de forma sustentável nos mercados em que atuamos. Continuamos o trabalho para reforçar a presença da marca no Brasil por meio de um time de destaque, line up completo e prestando atendimento de qualidade ao cliente, na venda e no pós-venda, nos quatro cantos do país”, diz Márcio Querichelli, líder da Iveco na América do Sul. (Frota & Cia/André Garcia)