NOTÍCIAS DO DIA

5/3/2021

 

Caoa amplia produção e anuncia 2º turno

 

Num momento em que fábricas estão suspendendo a produção por falta de peças, o grupo Caoa Chery anuncia a ampliação da produção na fábrica de Anápolis (GO) e a abertura de um segundo turno de trabalho em julho. A empresa iniciou a contratação de 300 pessoas e outras 300 vagas devem ser abertas no segundo semestre. Hoje a unidade tem 1,6 mil funcionários e só havia operado com duas equipes em 2010 e 2011.

 

O dono do grupo, o brasileiro Carlos Alberto de Oliveira Andrade, afirma que a partir de agora volta a se empenhar mais aos novos projetos da empresa após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) o inocentar de participação em um esquema de corrupção investigado pela Operação Zelotes, que teve início em 2015. “Isso me prejudicou muito em negociações com bancos”, diz.

 

Segundo o empresário, nos últimos quatro anos, período em que foi investigado, os juros negociados por ele para empréstimos subiram muito e outros foram barrados em razão do compliance dos bancos. “Comi o pão que o diabo amassou, então fico aliviado em saber que agora acabou, que estou limpo, com ficha branca.”

 

Com a sentença que não cabe recurso, uma das intenções de Andrade é retomar conversas com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em 2019, quando a Ford fechou a fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, ele negociou a compra das instalações, mas, por não obter crédito, desistiu do negócio.

 

A Operação Zelotes investigou esquema de compra de medidas provisórias para prorrogar incentivos fiscais a montadoras da região Centro-Oeste, durante o governo do PT. Apenas dois fabricantes atuam na região, o grupo Caoa – hoje Caoa Chery – e o também brasileiro HPE, que produz modelos das marcas Mitsubishi e Suzuki em Catalão (GO). O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva virou réu no processo acusado de receber propina para facilitar a aprovação da MP.

 

Andrade foi denunciado pelo Ministério Público em 2017. Seus advogados entraram com pedido de habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 1º Região (TRF1) e ele foi inocentado.

 

“Isso me prejudicou muito em negociações com bancos. Comi o pão que o diabo amassou, então fico aliviado em saber que acabou”, Carlos Alberto de O. Andrade dono do Grupo Caoa Chery. 

 

O MP recorreu e o caso foi para o STJ, que no mês passado não aceitou o recurso e decidiu pelo encerramento da ação.

 

Segundo o ministro Nefi Cordeiro, não há provas de que o executivo pagou propinas para obter benefícios. Cartas enviadas por Andrade a representantes do governo pedindo a prorrogação do incentivo também não caracterizam crime.

 

Incentivo renovado

 

A MP aprovada em 2009 que estabelece o incentivo vence a cada cinco anos e precisa de nova aprovação. Em outubro do ano passado o Senado manteve o benefício fiscal para o Centro-Oeste até 2025.

 

“Ainda bem que renovou porque se não eu fechava a fábrica”, informa Andrade. Segundo ele, há custos extras em operar na região, como falta de porto fornecedores distantes. Com a ampliação que será feita ele acredita que, quando a produção chegar a 80 mil veículos, novas fabricantes de autopeças vão se instalar na região.

 

O grupo tem plano de investimento de R$ 1,5 bilhão para ampliar a capacidade de suas duas fábricas, iniciar a produção de veículos da Exxed, marca de luxo da chinesa Chery e lançamentos de vários produtos, seis deles neste ano, incluindo um SUV Exxed inicialmente importado e um veículo híbrido.

 

A fábrica de Goiás produz veículos da Hyundai e SUVs de maior porte da Chery. Ela terá sua capacidade ampliada de 86 mil para 150 mil veículos ao ano até 2023. A de Jacareí (SP), que faz o sedã Azzera e utilitários pequenos também ampliará a produção, mas manterá apenas um turno em operação. Recentemente a unidade contratou 200 funcionários e abrirá mais vagas se as vendas da marca continuarem crescendo.

 

“Enquanto várias montadoras estão tirando o pé do acelerador, fechando fábricas, nós estamos fazendo o contrário”, afirma. Andrade conta que em fevereiro a Caoa também teve problemas de falta de componentes, mas viajou à China para falar com executivos da Chery e retornou com o compromisso de que neste mês o abastecimento será regularizado.

 

O executivo mantém seu antigo projeto de fazer da Caoa uma grande montadora nacional, com tecnologia de ponta e capacidade para produzir veículos híbridos e elétricos.

 

Ele confirma que mantém negociações com três fabricantes chinesas “mas no momento estamos em banho maria por causa da pandemia, mas assim que tiver uma brecha retomamos”. Sobre interesse na compra da fábrica da Ford na Bahia não há discussão no momento, diz.

 

Revendas

 

Maior revendedor Ford, com 12 lojas da marca, Andrade pretende manter apenas quatro delas após a decisão da montadora americana de deixar de produzir carros no País e passar a ser apenas importadora. As outras serão transformadas em concessionárias Caoa Chery e Hyundai.

 

No ano passado a Caoa Chery vendeu 20 mil veículos e ocupou a 11ª posição no ranking de montadoras. No ano anterior a participação era de 0,76%.

 

Para este ano a previsão é de chegar a 34 mil unidades. Andrade mantém a projeção mesmo com a decisão de novo lockdown em várias Estados. Em São Paulo, o comércio de carros ficará parado por 14 dias a partir de sábado. “As lojas ficarão fechadas, mas as fábricas continuarão trabalhando”. (O Estado de S. Paulo/Cleide Silva)

 

 

 

Renault inaugura carregador elétrico solar público em Fernando de Noronha

 

A Renault, em parceria com a Administração de Fernando de Noronha, a WEG e a Polo, inaugura um ecoposto público para o carregamento dos carros elétricos que já circulam na ilha. O eletroposto faz parte do programa Noronha Carbono Zero, que, entre outras ações, proíbe a entrada de veículos movidos a combustão no arquipélago a partir de 2022.

 

O ecoposto, localizado no bairro da Floresta Nova, pode atender até seis carros ao mesmo tempo e gera de energia de 26MWh por ano, o suficiente para cobrir o consumo elétrico de todos os veículos zero emissão da Renault que circulam na ilha.

 

Essa energia gerada é equivalente a 180 mil quilômetros rodados sem a geração de CO2. A recarga dos automóveis é feita à base de energia solar, através de placas fotovoltaicas instaladas em sua cobertura de 90m². Além de carregar os diversos carros elétricos que já rodam na ilha, também gera energia para a população local.

 

Os primeiros veículos 100% elétricos de Fernando de Noronha foram entregues pela Renault em junho de 2019. Hoje, 28 carros zero emissão já circulam pelo arquipélago. Seis deles (três Zoe, dois Twizy e um Kangoo Z.E.) foram cedidos em 2019 para uso oficial da Administração local e outros 22 Kangoo Z.E. foram comprados por empresários locais para realizar as tarefas do dia a dia.

 

“A Renault quer trazer modernidade à indústria automobilística, este projeto em Fernando de Noronha, patrimônio do Brasil, faz parte da nossa estratégia de sermos uma empresa de tecnologia, serviços e energia limpa”, explica Ricardo Gondo, presidente da Renault do Brasil.

 

No Brasil, desde 2013 a Renault comercializa veículos elétricos para empresas e projetos de mobilidade sustentável com os modelos: Zoe, Twizy e Kangoo Z.E. São cerca de 20 clientes e parceiros nesses projetos, como Porto Seguro, DHL, Mercado Livre, CPFL e Itaipu, entre outros. Ao todo já são mais de 300 veículos elétricos da francesa em circulação no país.

 

Em janeiro do ano passado, o governador de Pernambuco, estado pelo qual Fernando de Noronha está vinculado, Paulo Câmara (PSB) sancionou o Decreto-Lei nº 16.810/20, que regulamenta a entrada e circulação de carros a combustão na ilha.

 

Com a medida, nenhum carro movido a gasolina, álcool e óleo diesel entrará no arquipélago a partir de 2022. Os veículos que estão em Noronha poderão continuar transitando até 2030, quando o trânsito será definitivamente restrito apenas aos transportes elétricos.

 

O programa Noronha Carbono Zero contempla ainda outras ações de sustentabilidade e redução de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE), substâncias que causam o aquecimento global, fazendo da ilha um território neutro na emissão de GEE.

 

Também dentro do programa, foi firmado em 2020 um Termo de Cooperação Técnica entre o governo e a Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), para o acionamento de dois novos módulos de baterias solares fotovoltaicas, reforçando o sistema de armazenamento na ilha, dobrando a utilização de energia limpa em horários de pico.

 

“Com a entrega do ecoposto à população, damos continuidade ao projeto do Governo do Estado de reduzir a poluição atmosférica em Noronha, utilizando formas ambientalmente corretas de abastecimento, com energia renovável e automóveis que não agridam o meio ambiente”, afirma Guilherme Rocha, administrador de Fernando de Noronha. (Diário do Poder/Geison Guedes)

 

 

 

Limite de R$ 70 mil para isenção de IPI deve reduzir mais a oferta de PCDs

 

O governo federal jogou água de vez na fogueira dos veículos PCD que vinha definhando nos últimos meses. Com a Medida Provisória 1034/2021 publicada no Diário Oficial da União na terça-feira, 2, é quase certo que o já reduzido número de modelos oferecidos para a categoria deverá encolher.

 

Isso porque, a exemplo do ICMS, definido pelos Estados, pelo menos até o fim deste ano a isenção do IPI passar a ser limitada a modelos com preços de até R$ 70 mil.

 

O valor, já reclamavam bem antes os fabricantes, está muito defasado diante do aumento dos custos de produção nos últimos anos. O teto para isenções para o público PCD foram definidos há quase 13 anos e desde então não sofreram alterações.

 

Com a escalada da cotação do dólar e dos preços dos insumos, especialmente a partir do começo do ano passado, a margem dos fabricantes teria sido reduzida a ponto de alguns retirarem do mercado versões dedicadas e que já não contavam com alguns itens de conforto. O segmento mais afetado foi de SUVs, que, com valores próximos dos R$ 70 mil, na prática saíam por cerca de R$ 55 mil.

 

Para dificultar ainda mais a vida dos deficientes que buscam por um carro novo com incentivos fiscais, o governo federal também definiu que a troca por um outro produto isento de IPI deverá ocorrer somente depois de quatro anos, o dobro do que vinha sendo praticado.

 

A Medida Provisória já está em vigor desde a publicação. Entretanto, deve ser aprovada pelo Congresso Nacional em até 120 dias, caso contrário perderá a validade. (AutoIndústria)

 

 

 

Venda de usados sobe 15% em fevereiro, diz fenabrave

 

A Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores) divulgou na última quarta-feira (3) que a transação de veículos usados comerciais leves, apresentaram alta de 15,10% em fevereiro (876.306 unidades) na comparação com o mesmo mês de 2020 (761.333 unidades). Com isso, o setor mostra recuperação em meio a crise causada pela pandemia do novo coronavírus.

 

De acordo com Felipe Pessoa, diretor da rede Carbig.com, alguns fatores contribuem para o resultado positivo. “É um cenário de mão-dupla. O carro seminovo tem um melhor custo-benefício e, muitos consumidores que estavam procurando um zero km optaram pela compra do usado. Além disso, outras pessoas estão se desfazendo dos seus veículos para fazer algum investimento ou pagar uma dívida”.

 

Da mesma forma que tem muita gente comprando, tem muita vendendo, explica Felipe Pessoa. Para uma parcela da população, a valorização do seminovo e a necessidade de monetizar proporcionam um cenário ideal para quem precisa vender. É um momento propício para quem está buscando se capitalizar com a venda do seminovo. Para alguns, a venda do bem pode ser o capital que faltava para pagar uma dívida, reformar a casa, o escritório de home-office, entre outros.

 

Na rede de seminovos Carbig.com, empresa do Grupo Carbel, registrou 20% de crescimento nas compras de veículos seminovos de clientes somente no mês passado. Assim, mostrando como o mercado de usados está aquecido no momento. em Contagem, no Só Marcas Auto Shopping.  “Esperamos crescer 20% em relação ao primeiro semestre de 2020. Para isso estamos investindo em inovações, atendimento e novas tecnologias”, diz Felipe Pessoa. (Frota & Cia/André Garcia)

 

 

 

DAF inaugura mais uma concessionária, desta vez no Rio Grande do Sul

 

Seguindo seu plano de expansão no Brasil, a DAF abriu mais uma concessionária, agora na cidade de Passo Fundo-RS. A nova loja faz parte do Grupo Eldorado, e garante a ampliação da cobertura de venda e pós-venda na região norte do estado, o maior mercado de caminhões pesados do Rio Grande do Sul.

 

A nova concessionária tem uma área de 15 mil metros quadrados, com mais de 2,5 mil de área construída. Foram criados dez boxes de serviço pós-venda, que poderão também atender frotas de outras marcas com a linha de peças de reposição multimarcas TRP. O espaço conta também com amplo showroom e toda a estrutura DAF de atendimento premium ao cliente.

 

“A abertura da DAF Eldorado Passo Fundo é muito estratégica para nós, pois conseguiremos ampliar nossa atuação no estado, conquistando novos clientes, e atendendo ao grande crescimento da frota de caminhões da marca, com serviços de pós-venda. A localização da concessionária é muito privilegiada, em uma região de grande fluxo de caminhões. Já abrimos a loja com estoque de peças originais e TRP, além de todo o ferramental para atendermos aos clientes”, afirma Anderson Toso, Diretor da Eldorado Caminhões.

 

A região norte do Rio Grande do Sul tem grande presença de indústrias e é forte no agronegócio, que são grandes mercados consumidores de caminhões nos segmentos que a DAF atua.

 

“O Grupo Eldorado é um parceiro muito forte no Sul do país, e um grupo investidor que está conosco desde o início das nossas operações. A abertura dessa concessionária é importante para o nosso plano de expansão no Brasil, de crescimento da nossa participação de mercado, mantendo a qualidade dos serviços e do atendimento ao cliente”, completa Luis Gambim, Diretor Comercial da DAF Caminhões Brasil. (Blog do Caminhoneiro/Rafael Brusque)

 

 

 

Mercedes-Benz apresenta novidades na linha Sprinter

 

A Mercedes-Benz Vans celebra a sua permanência na liderança no segmento de comerciais leves em fevereiro de 2021 e lança seis grandes novidades no portfólio da linha Sprinter 2021/2022, incluindo um recurso de série adicional no produto para os implementadores. O aumento do portfólio com mais de 100 configurações possíveis pode ser conferido pelos clientes a partir de março em toda a rede de concessionários.

 

“É muito gratificante a nossa liderança de vendas no segmento de Large Vans desde 2017 até fevereiro de 2021. Os números positivos do desempenho comercial só comprovam o comprometimento da Mercedes-Benz em atender às necessidades de todos os nossos clientes”, ressalta Jefferson Ferrarez, presidente e CEO Mercedes-Benz Cars & Vans Brasil.

 

Com 1.490 unidades emplacadas no acumulado do ano, a Mercedes-Benz Vans foi líder de vendas de veículos comerciais leves no Brasil no mês de fevereiro. A marca alcançou 36,6% de participação de mercado, o que significa crescimento de 1,2 pontos percentuais em relação ao seu desempenho de janeiro de 2021.

 

Considerando o ano de 2020, a Mercedes-Benz Vans manteve a liderança pelo 4º ano consecutivo nas vendas de Large Vans (3,5 a 5 toneladas) com 9.742 veículos emplacados, representando 36% de market share. Com 38,9% e 54,6% de participação de mercado, respectivamente, os segmentos de Furgão e Vans de passageiros foram os destaques, ocupando também a primeira posição.

 

“É com grande satisfação que disponibilizamos a linha Sprinter 2021/2022 aos clientes de todo o Brasil, que vem ainda mais completa para atender às novas demandas do mercado sempre focando em inovação, segurança e tecnologia”, destaca Aline Rapassi, gerente de Marketing de Produto & Estratégia de Rede Mercedes-Benz Vans.

 

A grande novidade fica por conta do novo pacote Comfort Fit disponível para os Furgões de 4,1 toneladas que traz o assento individual para o acompanhante para atender às demandas dos segmentos em que o motorista opera sozinho ou no máximo com um acompanhante como é o caso do e-commerce e das ambulâncias, principalmente. Além disso, a nova linha Sprinter traz ainda mais opções para o segmento de carga com o pacote Hi-Tech disponível para a Sprinter Chassi de 4,1 toneladas, com itens como o sistema multimídia MBUX, volante multifuncional e piloto automático que proporcionam ainda mais facilidade e controle na utilização dos comandos do veículo.

 

Para o segmento de transporte de passageiros foram disponibilizadas rodas de liga leve 6,5 J x 16, incluindo as versões com cores sólidas para a Sprinter Van 15+1, equipada com o pacote Luxo Hi-Tech, o que dá um destaque maior ao produto e agrega valor de mercado. Tal diferencial também se aplica à linha de Furgão Vidrado 10,5m³ e 14m³ com pacote Hi-Tech, tanto nos veículos de pintura sólida quanto na metálica. Além disso, a Sprinter Van 19+1 tem como principal diferencial a entrada pela porta dianteira e contará com uma nova opção de pacote, o Luxo Hi-Tech, com sistema multimídia MBUX, volante multifuncional, piloto automático, câmera de ré superior, além do ar condicionado frontal e traseiro de série.

 

Para os clientes de Motorhome, o destaque é o novo pacote da Sprinter Furgão de 4,1 toneladas que oferece itens como ar condicionado frontal, sistema multimídia MBUX, volante multifuncional, piloto automático, câmera de ré superior, banco individual do acompanhante e rodas em liga leve, propiciando a melhor experiência a bordo ao usuário.

 

Para os implementadores, a novidade é o ponto de acesso adicional com doze sinais no cockpit na nova linha Sprinter que permite a conexão de dispositivos pré-definidos como sinais de seta à esquerda e à direita, luz de ré entre outros, garantindo a qualidade do produto final.

 

Essas novidades da linha Sprinter 2021/2022, que deixam o maior portfólio de Large Vans do mercado ainda mais completo, estarão disponíveis em toda rede de concessionários Mercedes-Benz do país a partir de março. (Carga Pesada)

 

 

 

Cummins Brasil fomenta diversidade e inclusão na cadeia de fornecimento

 

A Cummins Brasil dá mais um passo à frente nas suas ações voltadas à diversidade e anuncia nova parceria com o Integrare – Centro de Integração de Negócios, associação sem fins lucrativos especializada na aproximação de empresários minoritários como, afrodescendente, pessoa com deficiência ou descendente indígena à grandes corporações. O objetivo é ampliar ainda mais a gama de fornecedores diversos em sua cadeia de suprimentos.

 

Comprometida em promover a diversidade dentro de suas instalações e fomentar o diálogo para a contribuição de uma sociedade mais justa e igualitária entre seus colaboradores, a empresa segue expandindo a temática também em sua cadeia de fornecedores. A nova afiliação integra ainda a política da corporação “Diversidade de Fornecedores”, desenvolvida para oferecer vantagem competitiva fundamental por meio da atração e retenção de melhores talentos, além de exceder os requisitos do cliente e promover inovação e crescimento global e competitividade.

 

“Estamos empenhados em promover o crescimento dos negócios e desenvolvimento de fornecedores com mais essa parceria, auxiliando ainda o crescimento de pequenas e diversificadas empresas para garantir que a Cummins forneça excelentes serviços e produtos aos nossos clientes todos os dias. Essas entidades são excelentes para nos conectarmos às empresas diversas na busca de novos fornecedores”, afirma Marco Bologna, diretor de Compras da Cummins para América Latina e líder do Comitê Brasil de Diversidade da empresa.

 

Vale ressaltar que a líder global em energia já conta no Brasil há mais de 10 anos, com a WeConnect, organização que oferece a certificação “Empresa de Mulher” (Women-Owned), processo que avalia e formaliza se uma empresa pertence a uma ou mais mulheres em pelo menos 51%, de acordo ao padrão universal reconhecido pelas equipes de compras das principais corporações globais.

 

Ainda de acordo com o diretor, apesar das dificuldades em encontrar fornecedores diversos em nosso setor, a Cummins Brasil conta com bom percentual na área de compras. “Em itens diretos gira em torno de 4%; já nos indiretos estamos com índice de 17%. Trata-se de um alto desempenho dentro do nosso universo. E nosso objetivo é ampliar cada vez mais, buscando mais competitividade e inovação”. (Coisas de Agora)

 

 

 

Produção de veículos na Argentina perde fôlego em fevereiro

 

Balanço do desempenho do setor automotivo na Argentina divulgado pela Adefa revela queda no ritmo de produção em fevereiro. No mês passado, saíram do chão das fábricas do país vizinho 21,8 mil veículos, volume 10,3% inferior ao registrado em janeiro (24,3 mil) e 16,5% menor em relação ao do mesmo mês do ano passado, quando anotou 26,1 mil unidades.

 

O resultado, no entanto, era o esperado pela associação que representa das fabricantes na Argentina. Segundo a Adefa, a indústria local contou apenas 12 dias de atividades no mês passado, seis dias a menos que fevereiro de 2020, além de registrar interrupções na produção em quatro montadoras em função de férias ou adequação de linhas.

 

No acumulado do primeiro bimestre, a produção argentina somou 46,1 mil veículos, volume que representou queda de 1,5% em relação ao produzido nos dois primeiros meses de 2020, de 46,8 mil unidades.

 

“Após período de férias em diferentes fabricantes, estamos vendo valores de produção, vendas e exportações similares a do mesmo primeiro bimestre de 2020. Ou seja, já estamos próximos aos níveis da pré-pandemia e com expectativa de melhora para o resto do ano”, avalia em nota Daniel Herrero, presidente da Adefa.

 

As exportações de veículos experimentaram aumento de embarques de janeiro para fevereiro de 26,3%, de 11,9 mil para 15 mil unidades, com o Brasil respondendo por 62% das compras. No confronto com fevereiro de 2020, porém, as remessas do mês passado foram 16,9% menores. No acumulado dos dois primeiros meses, as fabricantes argentinas enviaram para fora mais de 26,9 mil unidades, leve crescimento de 0,6% em relação ao desempenho de um ano atrás.

 

Em relação às vendas internas, a indústria argentina faturou para a rede de concessionárias 26,6 mil veículos em fevereiro, volume 2,3% menor na comparação com janeiro e 1,9% inferior ao anotada em no segundo mês do ano passado, de 27,1 mil unidades.

 

No primeiro bimestre, a rede recebeu 53,9 mil veículos, alta de 2% sobre as entregas de um ano antes, quando registrou acumulado de 52,9 mil unidades. (AutoIndústria)

 

 

 

Fiat Chrysler resiste à crise e registra lucro líquido em 2020

 

A montadora ítalo-americana Fiat Chrysler (FCA) anunciou nesta quarta-feira um lucro líquido de 24 milhões de euros (quase 29 milhões de dólares) em 2020, o que demonstra que o grupo resistiu à crise do coronavírus no sector.

 

O lucro, porém, é muito inferior ao registrado em 2019 (2,7 bilhões de euros, 3,26 bilhões de dólares).

 

O faturamento anual da fabricante de marcas como Fiat, Jeep, Chrysler, Maserati, Alfa Romeo ou Ram caiu 20%, a 86,67 bilhões de euros (104,675 bilhões de dólares).

 

A montadora vendeu 3,43 milhões de veículos no ano passado, uma queda de 22%, “devido às perturbações na produção e na demanda” provocadas pela pandemia de coronavírus.

 

A união entre FCA e PSA criou a empresa Stellantis, o quarto maior grupo mundial em número de veículos vendidos e o terceiro em faturamento, atrás da japonesa Toyota e da alemã Volkswagen. (Isto ÉDinheiro/Agência AFP)

 

 

 

SUV abaixo do Jeep Renegade será montado na plataforma do Peugeot 208

 

Conforme noticiamos por aqui, a Jeep planeja fabricar um SUV para ficar posicionado abaixo do Renegade. Com a formação do grupo Stellantis, a mídia estrangeira aponta que o utilitário esportivo subcompacto será montado sobre a plataforma Compact Modular Platform (CMP). Aos que não reconhecem, esta é a plataforma do atual Peugeot 208.

 

De acordo com a publicação do Automotive News Europe, o modelo, a fabricante norte-americana produzirá seu SUV de entrada na planta de Tychy, na Polônia em julho de 2022. Além disso, utilizará a arquitetura modular CMP, que é compatível com motorizações a combustão, híbridas e elétricas.

 

Prioridade do braço formado pelo antigo grupo FCA, o pequeno utilitário esportivo é um desejo antigo da Jeep. Contudo, ele não compartilhará a base com o Fiat Panda 4×4, como especulado pela imprensa algumas vezes.

 

Já a novata CMP foca na construção de modelos para mercados emergentes, exatamente o interesse da Jeep no pequeno SUV.

 

Embora a plataforma não ofereça compatibilidade com tração 4×4, é provável que o sistema de tração 4xe esteja presente na versão hibrida. O restante da gama deverá adotar tração dianteira.

 

Ele consiste na configuração de um motor a combustão montado no eixo dianteiro, que movimenta as rodas dianteiras. No eixo traseiro, há um propulsor elétrico responsável pelo movimento das rodas de trás. As duas propulsões ficam montadas em linha.

 

Sob o capô, a mídia estrangeira aponta para o emprego de trens de força da Peugeot. O mais cotado no momento, é o Puretech 1.2 Turbo.

 

Jeep Renegade crescerá

 

Para abrir espaço para o pequeno SUV, a próxima geração do Renegade ficará maior. Desse modo, ele deverá resolver o problema com a capacidade do porta-malas. A troca de geração, no entanto, deve ocorrer somente em 2022

 

Gama cheia de concorrentes

 

Atraídos pelo incentivo fiscal indiano para veículos de até 4 metros de comprimento, as montadoras inauguraram uma nova categoria de SUVs subcompactos. A safra reúne modelos como o Nissan Magnite, Renault Kiger, Hyundai Venue e Toyota Urban Cruiser, por exemplo.

 

Bem como a arquitetura CMP, a nova remessa de SUVs urbanos tem foco em mercados emergentes. Dessa forma, o mini Jeep pode vir ao Brasil. Contudo, ainda neste ano o SUV do Fiat Argo irá entrar nessa nova categoria – e ele será um produto nacional e terá motores turbo.

 

Em contrapartida, o novo produto da Jeep poderia vir importado da Argentina, assim como o 208. Como resultado, seu preço seria mais salgado por causa da alta cambial.

 

Plataforma abrigará outros produtos

 

Eis que efetivamente, estamos vendo um dos principais objetivos da fusão do grupo Stellantis: compartilhamento de plataformas e economia em escala. Abaixo do híbrido Alfa Romeo Tonale, a montadora italiana lançar um novo SUV compacto de luxo menor que o Tonale.

 

A Fiat também estuda montar um pequeno SUV na mesma plataforma para preencher o espaço deixado pelo Punto. Por enquanto, pouco se sabe sobre esta dupla. Apesar disso, fontes afirmam que os SUVs italianos chegarão ao mercado somente em 2023. (Jornal do Carro)

 

 

 

Com acelerador inteligente, caminhões Scania chegam a 20% de economia

 

O primeiro trimestre de 2021 marca o lançamento do Acelerador Inteligente Scania, um opcional que soma mais 5% e eleva a 20% a economia de combustível da Nova Geração de caminhões em comparação à gama anterior. O acelerador inteligente é um aliado importante para apoiar a Scania no cumprimento da meta de reduzir em 20% as emissões de CO2 de seus veículos em circulação até 2025. Veículos equipados com o acessório farão parte da linha 2021/2022, já estão disponíveis para compra na rede de concessionárias e serão entregues a partir de 1.º de agosto deste ano.

 

Os 20% de economia de combustível que a Nova Geração passa a alcançar é dividido da seguinte forma: motor Euro 5 com sistema de injeção de alta pressão (8%), aerodinâmica externa da cabine (2%), inovações da caixa de câmbio Scania Opticruise (2%), Scania Actcruise (3%) e os 5% do Acelerador Inteligente Scania. O Actcruise, a evolução do controle de cruzeiro Ecocruise, foi introduzido na linha 2020/2021 e já é item de série. O Actcruise atua por meio de posicionamento via GPS e um mapa topográfico integrado ao módulo de conectividade para gravar rotas e aproveitar aclives e declives de maneira mais eficiente.

 

Esta economia adicional de 5% do acelerador inteligente foi comprovada em testes de campo realizados com clientes em várias condições e operações distintas, nas principais aplicações rodoviárias. Foram utilizados caminhões com carretas tipo “vanderleia” e LS (três eixos), composições nove eixos (rodotrem) e diferentes tipos de tração como 6×4 e 6×2, no transporte de grãos, carga frigorificada, combustíveis e outros. Todo o resultado foi validado pela Engenharia Scania em mais de 500 mil km de demonstrações por topografias variadas e diversas regiões do país.

 

O Acelerador Inteligente Scania, ou controle de aceleração, está disponível para todos os modelos da Nova Geração, inclusive os fora de estrada. “A Nova Geração, que completou dois anos, é a melhor máquina de economia de combustível da história da Scania. Com o acelerador inteligente subimos a um patamar que nos distancia ainda mais da concorrência. Com as margens do custo do transporte cada vez mais apertadas será um diferencial substancial na sustentabilidade do negócio. O cliente vai comprovar uma rentabilidade nunca antes vista no mercado”, afirma Silvio Munhoz, diretor de Vendas de Soluções da Scania no Brasil.

 

O acelerador inteligente também vai apoiar a Scania no cumprimento da meta de reduzir em 20% as emissões de CO2 de seus veículos em circulação até 2025, de acordo com o compromisso firmado com o Science Based Target, um comitê global que estipula indicadores de redução de emissão de gases do efeito estufa conforme a atividade da empresa. “A economia de diesel é essencial para a saúde financeira das empresas de transporte, além de contribuir significativamente com o planeta e a sociedade ao reduzir as emissões de gases poluentes”, completa Munhoz.

 

O funcionamento do acelerador inteligente está ligado a uma análise do peso do veículo, da posição do pedal de aceleração e deslocamento do modelo, para evitar acelerações bruscas e desperdício desnecessário de combustível. “Dessa forma, o veículo é conduzido de forma mais confortável e econômica preservando outros componentes do trem de força e os freios. O sistema trabalha de forma automática e desativa quando o motorista pressiona o acelerador até o fundo (posição do Kickdown), entendendo que o condutor precisa de toda a capacidade de aceleração naquele momento. Ao soltar o pedal, o sistema volta a controlar a aceleração do veículo”, explica Paulo Genezini, gerente de Pré-Vendas da Scania no Brasil.

 

“Numa situação de viagem com alta frequência de alternâncias de velocidade, tráfego intenso e em veículos não totalmente carregados ou vazios, o acelerador inteligente vai contribuir para uma maior economia de combustível. O efeito será um pouco reduzido em rotas onde existam velocidades constantes (de cruzeiro). Ou seja, quanto mais variações na rota maior será sua atuação automática. O motorista vai sentir rapidamente a diferença desse grande benefício”, conclui Genezini. (Carga Pesada)

© 2018 DC Multimídia       |      Secco Consultoria de Comunicação 

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon